Como é a cesárea

25 julho 2014 | Postado por Casinha da Cys


Dentro do centro cirúrgico, ocorre a aplicação da anestesia, na região lombar da paciente, entre duas vértebras da coluna. A dor da picada não é intensa, mas é perceptível. Existem três variações de anestesia: a raquidiana (ou raquianestesia), a peridural e o duplo bloqueio. Todas prezam pela possibilidade da mãe permanecer acordada durante o parto, mas sem sentir dor do peito para baixo. Qual (ou quais) será utilizada no parto depende de cada caso. “A aplicação da anestesia é direcionada de acordo com a paciente, seu quadro clínico, a situação do trabalho de parto, entre outros fatores”, afirma o anestesiologista Dr. Oscar César Pires, Diretor do Departamento Científico da Sociedade Brasileira de Anestesiologia (SBA).
A diferença básica entre os tipos de anestesia é o local onde o anestésico é aplicado. “A ráqui é administrada muito próxima aos nervos da medula espinhal”, explica o Dr. Ricardo Goldstein, anestesiologista do Hospital Israelita Albert Einstein. “Já a peridural é colocada em um espaço mais distante e com uma membrana separando-a dos nervos. O duplo bloqueio nada mais é que a combinação entre as duas técnicas: um cateter é colocado dentro do espaço peridural para posterior administração do anestésico durante o trabalho de parto”. Além disso, existe uma diferença de intensidade dos medicamentos e tempo do efeito de cada um: a raquidiana é administrada em menor volume (2 ou 3 ml) e tem efeito total em, no máximo, 2 minutos, enquanto a peridural, que  leva de 7 a 10 minutos para anestesiar a paciente, pode chegar a um volume de até 30 ml.
Assim que a anestesia faz efeito, é realizada uma incisão transversal de aproximadamente 10 cm na pele, por cima do osso púbico (naquela região conhecida como “linha do biquíni”), e outra menor no útero, cortando oito camadas de tecido no caminho. Rompida a parede uterina e a bolsa das águas, o médico tem acesso ao bebê, que é puxado. Fora da barriga, ele é avaliado por um médico, que verificará sua oxigenação, cortará o cordão umbilical e o entregará para o neonatologista, para uma avaliação mais completa. Tudo correndo bem, ele será mostrado à mãe e entregue ao acompanhante, enquanto a placenta é retirada e os pontos são dados em cada uma das camadas de tecido cortadas. Caso não haja maiores complicações, a cesárea dura cerca de uma hora.

Pós-parto da cesárea
Como toda cirurgia, a cesariana tem uma etapa inevitável: o pós-operatório. A intensidade e duração das dores, desconfortos e limitações da paciente variam para cada pessoa, mas, mesmo nos casos mais simples, o pós da cesárea tende a ser pior que o do parto normal.
O que acontece após a finalização dos pontos varia de hospital para hospital. “Em alguns hospitais, já é uma prática comum permitir que a mãe fique na sala de cirurgia por um tempo maior”, afirma a Dra. Alessandra Bedin. “Dessa forma, assim que ela se recupera da anestesia, já pode segurar o bebê e tentar amamentar em um ambiente mais protegido”. Outras instituições normalmente levam a mãe para uma sala para se recuperar dos medicamentos. Após cerca de uma hora e meia, o efeito passa e a mãe pode segurar seu filho.
Independente dos procedimentos da instituição, a recomendação é que a paciente fique de 6 a 12 horas mais quieta, sem fazer esforço. É necessário ficar, no mínimo, 48 horas internada antes de receber alta, mas esse período pode se estender por até 60 horas ou até mais, em casos em que tenha havido algum tipo de complicação durante o parto.
Desse ponto em diante, o desenvolvimento varia de caso a caso. Segundo a Dra. Lucila Nagata, a dor mais intensa deve passar entre 5 e 7 dias, mas dores menores e desconfortos podem chegar a durar semanas ou até meses. Muitas mulheres que optam pela cesárea por medo da dor do parto normal se alarmam ao saber que não conseguirão evitá-la na cesariana também. “A dor é uma defesa”, explica a Dra. Bedin, “e, a não ser que seja acompanhada por sangramento, é perfeitamente natural”. É necessário lembrar sempre que, ao optar por realizar uma cesariana, você está se submetendo a uma cirurgia e a recuperação, por mais tranquila que seja, terá suas dificuldades.
A Dra. Bedin destaca o uso de medicamentos para ajudar na manutenção desse período: “Com o uso de analgésicos e anti-inflamatórios, o pós da cesárea não é mais o monstro que já foi”, diz ela. No entanto, reconhece que o parto normal apresenta muito menos desconfortos para a paciente, que se sente mais à vontade para se movimentar e cuidar do bebê desde cedo. Ambas as médicas aconselham a utilização da cinta modeladora para amenizar a dor, mas alertam sobre a necessidade de discutir esse uso com o médico antes. Exercícios leves, como yoga, caminhadas e alongamentos, só após 30 dias e apenas com autorização médica.

Parto cesárea: entenda os riscos
Apesar de ser uma prática comum, muitas vezes se passa por cima do fato de que a cesariana não é um procedimento simples.
Na opinião da Dra. Lucila Nagata, ginecologista obstetra do Hospital Materno Infantil de Brasília, trata-se de uma cirurgia de médio porte. “Apesar dos muitos avanços para aumentar a segurança, sempre há riscos envolvidos em uma cirurgia, como sangramentos, infecções e reações à anestesia.” esclarece.
Os riscos vão além da saúde da mãe e podem afetar também o bebê. “Em cesáreas marcadas previamente, pode acontecer de o bebê ainda não estar pronto para nascer. Se o procedimento for levado em frente mesmo assim, ele pode ter problemas respiratórios e precisar ser ligado a um respirador”, explica a Dra. Bedin. Em cesáreas em que o parto normal já havia sido tentado, esse problema não é comum: a não ser que o bebê seja prematuro, o fato de ter entrado em trabalho de parto natural significa que ele já está pronto para nascer, o que facilita a cirurgia.
Em algumas situações, alguma condição preexistente da paciente pode acarretar em possíveis riscos na cesárea, mas nenhuma é proibitiva. “Uma mulher com problemas cardiológicos está sujeita a maiores riscos ao realizar a cirurgia” diz a Dra. Nagata. “Por outro lado, os riscos não são inexistentes no parto normal: o excesso de esforço pode ser ainda mais prejudicial do que o trauma da cirurgia”.
Nádia Zanon Narchi, coordenadora do curso de Obstetrícia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paolo (EACH-USP), atenta para a falta de comunicação entre a paciente e o médico durante a gestação. “Muitas mulheres que optam pela cesárea ou a aceitam por recomendação do médico desconhecem as repercussões que uma cirurgia como essa pode ter em seus corpos”, afirma ela. “Embora o procedimento seja muito mais seguro hoje em dia, existe uma série de complicações que podem vir a acontecer no futuro, como uma má cicatrização do útero ou uma possibilidade maior de abortar em alguma próxima gravidez”. Para ela, um dos motivos de muitas mulheres optarem previamente pelo parto cesárea é uma imagem negativa e nem sempre real do parto normal. “A repercussão que existe do parto normal é de que ele é uma coisa extremamente dolorosa, violenta e solitária. Não precisa ser assim, mas as mulheres têm muito medo dessa visão e buscam a alternativa da cesárea, que é vista como um parto mais moderno.”
Independente da condição física da gestante ou da maneira como sua gravidez se desenvolveu, é essencial que ela se comunique constantemente com seu médico, busque outras opiniões e pesquise muito a respeito de todos os riscos que podem decorrer de uma cesariana, para estar bem informada antes de tomar uma decisão.

Quando a cesárea é necessária
• Quando a placenta cobre o colo do útero, impedindo a saída do bebê – a chamada placenta prévia. A cirurgia é agendada antes de o trabalho de parto ter início, para não haver risco de sangramento. O diagnóstico só acontece a partir da 30ª semana.
• Quando há descolamento prematuro da placenta.
• Quando a mãe tem aids. Se a carga viral for alta ou desconhecida, a cesárea deve ser agendada. Se a carga viral for indetectável, pode ser parto normal.
• Se a mãe tem herpes genital, com uma lesão ativa até 1 mês antes do parto. Quem tem a doença pode prevenir as lesões tomando medicamentos.
• Em alguns casos raros de doenças cardíacas.
• Se o bebê está atravessado. Antes, o médico pode tentar ajudá-lo a ficar na posição correta.
• Quando o cordão penetra no canal de parto antes da cabeça do bebê. Também só será possível perceber isso depois de o trabalho de parto ter começado.
• Quando o bebê apresenta uma redução drástica no fluxo de oxigênio ou nos batimentos cardíacos. Isso acontece apenas em torno de 1% dos casos.
• Se a abertura do colo da mãe é pequena para o bebê, algo que ocorre em menos de 5% dos partos.

Casos que devem ser estudados com o médico
• Se o bebê estiver sentado e a mulher já tiver tido parto normal antes.
• Quando foram feitas duas ou mais cesáreas anteriores.
• Se a mulher tem defeitos na bacia, algo que provavelmente ela já descobriu antes de engravidar, por meio de um simples exame de toque.
• Se a criança está frágil demais, ou seja, se há retardo do crescimento.
• Se o parto para de progredir. Nesse caso, há recursos para estimular a continuidade, como o hormônio ocitocina.
• Se há alteração na circulação do sangue entre mãe e bebê, medida pelo exame de dopplerfluxometria.
• Pressão alta na gravidez (acima de 13 x 9). Em muitos casos, o ideal é acelerar o parto com o uso de ocitocina.
• Quando a mãe tem pré-eclâmpsia, doença típica da gravidez que eleva a pressão arterial, o parto também deve acontecer rápido. Mas é possível prevenir a doença com um bom pré-natal, dieta balanceada e aspirina para quem tem risco.

Quando a cesárea não é necessária
• Cordão enrolado no pescoço do bebê (não importa quantas voltas), desde que o bebê esteja bem.
• Falta de dilatação. Pode ocorrer por um distúrbio raro no colo do útero (menos de 1% das mulheres o têm), mas, na maioria das vezes, se não dilatou é porque não chegou a hora mesmo.
• Se passou da semana número 40 da gravidez. É normal esperar até 42 semanas, monitorando o bebê.
• Se a mulher tem mais de 35 anos.
• Se a mulher teve uma cesárea anterior.
• Se o trabalho de parto está demorado. A mulher pode passar vários dias sentindo algumas contrações, sem ter entrado em trabalho de parto. Os médicos só consideram trabalho de parto quando há mais de 3 cm de dilatação e contrações regulares. Aí, então, o processo pode levar entre 8 e 18 horas.
• Bacia estreita (esses casos são raríssimos e, em geral, a mulher já descobriu a alteração antes).
• Bebê grande demais (um bebê precisa ter mais de 4,5 quilos para ser considerado grande. É bem raro).
• Se a mulher tem verrugas genitais, mioma ou HPV (a não ser que obstruam a passagem do bebê).
_______________________________ 
Fonte para nossa postagem:
Revista Bebê
Revista Crescer



0 Comentários | Compartilhe este post | Marcadores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Colocamos sempre imagens para ilustrar nossas postagens, algumas imagens (fotos) são nossas, outras são dos locais que usamos como inspiração para nossos textos, mas que são creditados e há imagens também postadas aqui no blog de fontes diversas da Internet. Portanto, se alguma das imagens publicadas for de sua autoria e deseja que seja retirada ou que seja mencionada a fonte da imagem, entre em contato através do email: casinhacys@gmail.com, para que seja resolvida a questão da retirada da imagem ou publicado o nome do autor da imagem.
BLOG CASINHA DA CYS | TECNOLOGIA BLOGGER | COPYRIGHT (C) TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | DESIGN POR SUSAN SANTOS | PROGRAMAÇÃO POR SARA SILVA